Maria Rachel Coelho: Cidadania e justiça!

Artigos

Cuidados na compra de alimentos
Maria Rachel Coelho - 14/06/2011

CUIDADOS NA COMPRA DE ALIMENTOS

1.Embalagens
2. Alimentos Estragados
2.1.Procedimento em caso de alimentos estragados
2.2. Se o consumidor só descobre depois, que o alimento está estragado
2.3. Consumidor tiver problemas de saúde decorrente do alimento
3. Diferença de light e diet
3.1. Informações essenciais para o consumidor portador de enfermidades
4. Alimentos Perecíveis
4.1. carne de aves
4.2. carne bovina
4.3. carne suína
4.4. queijos
4.5. leite
4.6. outros produtos que precisam de refrigeração
4.7. peixes
5. Frutas
6. hortaliças
7. ovos
8. Alimentos Congelados
9. embalagens à vácuo
10. grãos e vendas à granel
11. Pães e bolos
12. água mineral
13. cuidados com as promoções
14. Alimentos industrializados
15. alimentos importados



1.Embalagens

Atenção nas embalagens dos produtos. Leia com cuidado as informações escritas sobre os produtos em letras legíveis sobre data de fabricação, prazo de validade, composição, peso, modo de usar, advertências sobre os riscos e outros dados essenciais ao consumidor.

Não leve para casa embalagens estufadas, enferrujadas, amassadas, furadas, rasgadas, violadas ou que estejam vazando. Latas assim podem indicar que o alimento está estragado. Se você só notar o problema quando chegar em casa, tome as seguintes providências:

- procure o estabelecimento onde foi feita a compra;

- apresente a nota fiscal ou ticket e exija a troca ou peça seu dinheiro de volta;

- denuncie o que aconteceu na Decon que é o órgão de fiscalização de alimentos. O fornecedor será punido se sabia do defeito do produto e o vendeu assim mesmo;

- se o fornecedor não quiser trocar o produto, envie uma reclamação por escrito ao estabelecimento em que comprou o produto;

- peça ajuda ao Procon-RJ;

- se você se sentir mal, com intoxicação, após consumir um alimento estragado, procure imediatamente um médico;

- guarde as receitas que o médico passar e os comprovantes de despesas e, assim que puder, entre em contato com a vigilância sanitária. Informe com detalhes, qual o alimento suspeito, onde você o comprou e a hora que comeu ou bebeu;

- a declaração dada pela vigilância sanitária servirá como prova, caso você recorra à justiça.

2. Alimentos estragados

Nunca deixe os enlatados em latas abertas, mesmo dentro da geladeira. Retire o produto das latas e coloque em uma vasilha limpa, seca e com tampa. Mantenha o produto dentro da geladeira. Observe as recomendações do fabricante, impressas na embalagem.

Alimentos Fraudados: O fornecedor para obter mais lucro, às vezes, pode cometer certas fraudes. Exemplo: água no leite.

2.1.Procedimento em caso de alimentos estragados

O Procon-RJ não tem perícia para constatar que os alimentos estão estragados. Dessa forma, os consumidores são orientados a procurar a ANVISA, através do número 08006429782, ou a Delegacia do Consumidor que é o órgão da polícia civil que tem por atribuição principal apurar, por meio do inquérito policial ou termo circunstanciado, os crimes praticados contra os consumidores. Com o registro de ocorrência em mãos, pode o consumidor procurar o Procon-RJ.




2.2. Se o consumidor só descobre depois, que o alimento está estragado

Quando o consumidor SÓ DESCOBRE POSTERIORMENTE QUE O ALIMENTO ESTAVA ESTRAGADO tem o direito de reclamar sempre que adquirir um produto impróprio para o consumo. São considerados impróprios para o consumo os produtos:
cujos prazos de validade estejam vencidos;
os deteriorados, estragados e que apresentem características (sabor, cheiro, aparência) diferentes do habitualmente esperado, como por exemplo produtos mofados, com embalagens estufada, etc;
os que apresentem alguma contaminação física (inseto, parafuso, fios de tecido, cabelo) e presença de sujidade não identificada (pontos pretos que não são da composição do alimento);
quantidade/peso diverso da indicada na embalagem.
O consumidor poderá solicitar, à sua escolha:
a substituição do produto por outro da mesma espécie em perfeitas condições de uso;
a restituição imediata da quantia paga, monetariamente atualizada, sem prejuízo de eventuais perdas e danos.

2.3. Consumidor que tiver problemas de saúde decorrente do alimento


Se o consumidor tiver problemas de saúde (cólicas, vômitos, enjôo, diarréia) e suspeitar que foram causados pelo consumo do produto, deverá procurar atendimento médico solicitando relatório indicando qual o diagnóstico. Também é importante que o consumidor informe o histórico do problema de saúde, mencionando quanto tempo após o consumo apresentou os sintomas e quais são eles. Nestes casos, o consumidor terá direito a ressarcimento, além de reembolso de despesas com atendimento médico e medicamentos, desde que comprove que o problema foi decorrente do consumo. Vale, ressaltar que o consumidor deverá apresentar os documentos (notas fiscais, cupons ou recibos) relativos aos gastos que pretende pedir reembolso.
Esses documentos com a amostra do produto, são necessários para encaminhamento da reclamação que tem por objetivo identificar o que se chama de nexo causal, ou seja, comprovar que o problema de saúde alegado tem ligação direta com o consumo do produto.


3. Diferença de light e diet

Os termos "diet" e "light" são muito utilizados nos rótulos dos alimentos e podem causar confusão entre os consumidores, na hora da escolha dos produtos. Segundo a legislação vigente, estes termos são utilizados para designar alimentos que têm finalidades especiais. Assim sendo, é necessário constar no rótulo uma tabela de composição, a fim de auxiliar o consumidor.
Veja as definições dadas e algumas informações importantes:

• Produtos Diet: são aqueles que não possuem um ou mais ingredientes em sua composição, tais como:
- ausência de açúcar (sacarose, mel, glucose) - é indicado para diabéticos;
- ausência gordura - indicado para pessoas com problemas de colesterol;
- ausência de sal - indicado para os hipertensos

• Produtos Light: são aqueles que apresentam redução de, no mínimo, 25% de um de seus ingredientes, como açúcar, gordura, etc., sendo indicados para pessoas que desejam controlar a ingestão de calorias;

• É muito importante observar que produtos considerados diet podem apresentar mais calorias que produtos tradicionais; é o que acontece com o chocolate diet, por exemplo, ou com o bolo diet. Estes produtos são isentos de açúcar mas apresentam maiores quantidades de gordura, a fim de conferir sabor. Neste caso, os alimentos tornam-se mais calóricos, não sendo recomendados para o controle de peso, e sim para os diabéticos, desde que os mesmos não exagerem em quantidade.

• Existem produtos light que também são diet: é o caso do iogurte natural. Este alimento é considerado light por ter reduzido teor de gordura e é diet porque não tem açúcar.

• Maioneses e sorvetes são produtos naturalmente calóricos. Embora no caso das maioneses possa haver redução de até 50% das calorias, é importante observar que o produto continua sendo calórico, embora menos que o tradicional; mesmo assim, deve-se cuidar para não haver exagero na quantidade de produto a ser ingerido.

• Produtos diet produzidos no Brasil podem apresentar no rótulo as expressões: "sem", "isento de", "não contém", "zero", etc..

3.1. Informações essenciais para o consumidor portador de enfermidades

Produtos que contém glúten (presente no trigo, aveia, cevada, malte e centeio e/ou seus derivados) aspartame; sacarose; não devem ser consumidos por quem tem determinadas enfermidades. E em todos esses casos deve constar na rotulagem alerta de que o produto CONTÉM A SUBSTÂNCIA NÃO ADEQUADA ÀQUELE CONSUMIDOR PORTADOR DA ENFERMIDADE (EXEMPLO: SACAROSE NO CASO DE PORTADORES DE DIABETES).


4. Alimentos Perecíveis
Os consumidores devem tomar alguns cuidados na compra de alimentos perecíveis como carnes:

• os açougues devem ter boas condições de higiene, as paredes devem ser revestidas de azulejo e o piso de cerâmica, e é proibido o uso de luz vermelha na vitrine, por mascarar a cor da carne;
• verifique a existência de carimbo roxo do SIF (Serviço de Inspeção Federal);
• carnes pré-embaladas e congeladas devem ser mantidas em balcão ou câmara frigorífica; observe que a presença de água indica temperatura inadequada ou que o balcão foi desligado durante a noite: neste caso, não compre o produto;
• evite comprar carnes de ambulantes;

4.1. Carne de Aves: deve apresentar-se firme, com coloração amarelo-pálida, brilho e cheiro suaves. Manchas esverdeadas ou azuladas e mau cheiro indicam processo de deterioração.

4.2. Carne Bovina: sua coloração ideal é vermelho-clara; não compre o produto que apresentar partes escurecidas ou secas, pois isso indica deterioração. Quanto à carne moída, esta deve ser feita à vista do consumidor, a fim de evitar mistura de carne fresca com deteriorada, ou carne de primeira com de segunda.

4.3. Carne Suína: não compre se você notar pequenas bolinhas brancas, pois pode ser um indicativo de parasita "solitária". Além disso, não consuma a carne mal passada!

4.4.Todos os cuidados também com os queijos:

• na compra, além da aparência e da textura, procure observar o odor; este normalmente é suave, exceto nos queijos especiais como roquefort e gorgonzola, que apresentam cheiro bastante forte;
• fique atento ao local onde o produto está exposto à venda. A temperatura ideal para a conservação de qualquer tipo de queijo é de 5 a 10°C, entretanto, alguns como o provolone e o parmesão podem ser mantidos em local fresco;
• a embalagem deve conter informações sobre: peso, tipo, origem, data de validade, composição, condições de armazenamento, identificação do fabricante ou importador e registro no Ministério da Agricultura;
• evite comprar de ambulantes, pois, além do alimento ficar armazenado em temperaturas inadequadas de refrigeração, sua procedência é duvidosa.

4.5. Leite

Embora o leite seja um dos alimentos mais completos constitui também um excelente meio nutritivo para o crescimento de microrganismos, muito dos quais podem ser patogênicos, e assim prejudiciais à saúde. Portanto:

• dê preferência ao leite pasteurizado, ou ao leite longavida;
• se não for possível comprar o leite pasteurizado, o produto "in natura" deve ser bem fervido, antes do consumo;
• se você optar pelo leite em "saquinho", por exemplo, o qual sofreu processo de pasteurização, deixe para pegá-lo ao final de suas compras, a fim de evitar sua deterioração; em casa, mantenha-o sob temperatura de refrigeração.

• Pasteurização: é um tipo de processamento no qual o leite é submetido a temperaturas de 72ºC a 76ºC, durante 15 a 20 segundos; em seguida, é resfriado, resultando em um leite sem bactérias causadoras de doenças. Para manter sua qualidade, no entanto, é preciso transportá-lo e armazená-lo em baixa temperatura. A pasteurização foi desenvolvida em meados do século XIX pelo cientista francês Louis Pasteur.
Leites de "saquinhos" e alguns de garrafas plásticas sofrem esse tipo de processamento.

• Ultrapasteurização (UHT): nesse processamento, o leite é tratado a temperaturas mais altas que as da pasteurização, chegando até 145ºC, porém, por um tempo muito mais curto: de dois a quatro segundos. Em seguida, é resfriado, resultando em um leite totalmente isento de bactérias. Quando associado à embalagem asséptica, dá origem ao chamado leite longavida, que pode ser conservado por até seis meses. São os leites de "caixinha" e alguns de garrafas plásticas.

4.6. Outros produtos que precisam de refrigeração

Além das carnes, queijos, e do leite, os iogurtes e outros produtos que precisam de refrigeração, como deixá-los para comprá-los por último e providenciar sua breve refrigeração.

É importante também as condições gerais de higiene do estabelecimento: as instalações e os utensílios devem estar limpos e os funcionários que manipulam os alimentos devem estar devidamente uniformizados com proteção no cabelo, usando luvas e não estar fumando.

Nunca adquirir alimentos de origem/qualidade duvidosa (clandestinos, ambulantes). Em casos de produtos de origem animal (carnes, leites e derivados) os produtos devem apresentar o carimbo do SIF (Serviço de Inspeção Federal).

4.7. Peixes

A compra de peixes exige atenção no que se refere às condições de armazenamento do produto e de higiene do estabelecimento. Além disso, as informações contidas nas embalagens e a procedência do produto também precisam ser observadas. Estes itens estão diretamente relacionados à qualidade do alimento.


Então, na hora da compra:

• observe que os peixes frescos devem estar sempre conservados no gelo ou em balcões frigoríficos à temperatura inferior a 10°C, e que os peixes congelados devem ser mantidos a -18°C em câmaras ou balcões frigoríficos; o acúmulo de água indica que a conservação está inadequada;
• o produto deve estar acondicionado em lugar limpo e protegido de insetos;
• observe que as guelras do peixe fresco devem estar vermelhas, os olhos brilhantes e salientes e as e as escamas bem aderentes à pele;
• confira a carne do peixe: ela deve ser firme e resistente, caso contrário não está em condições adequadas para o consumo;
• verifique o prazo de validade dos produtos congelados;
• na compra de peixes secos, evite os que estiverem avermelhados.


5. Frutas

• escolha frutas frescas, de boa aparência e sem sinais de deterioração;
• observe a cor das frutas: ela deve ser coerente com o grau de maturidade;
• se você for consumir as frutas de imediato, dê preferência às mais maduras; do contrário, escolha as mais firmes (aquelas que reagem a uma leve pressão dos dedos);
• ao comprar abacaxi, observe que as folhas da "coroa" devem estar firmes;
• ao comprar mangas, a casca deve estar alaranjada ou avermelhada; manchas escuras indicam que a polpa está machucada;
• a crença de que manga com leite faz mal, provém da época colonial, quando os senhores tentavam impedir o "roubo" de leite e de manga pelos escravos;
• bananas maduras não devem ter manchas verdes na ponta;
• o suco de limão, que é um antioxidante natural, pode ser usado para evitar que algumas frutas, tais como maçã, pêra ou banana, escureçam após cortadas;
• em algumas receitas, o suco de limão é utilizado como tempero, ajudando, inclusive, a "disfarçar" a escassez de sal; assim, pode ser uma ótima opção para quem sofre de pressão alta;

6. Hortaliças


• procure comprar as que estiverem frescas; a textura deve ser resistente ao toque dos dedos;
• fique atento à época de safra;
• observe se há manchas escuras, larvas, ou fungos;
• evite comprar os produtos que estiverem cobertos por uma camada fina de pó branco: podem ser resíduos de defensivos agrícolas e, portanto, nocivos à saúde;
• observe que os produtos que apresentam coloração alterada são impróprios para o consumo;
• verifique se todas as unidades que já estiverem embaladas estão em condições adequadas;

7. Ovos

• ao comprar ovos, verifique sempre o interior das caixas para certificar-se de que não existe nenhum quebrado;
• não compre ovos sujos ou machados, pois pode ocorrer penetração da sujeira para o interior de casca e uma provável contaminação;
• procure comprar ovos frescos, pois eles têm maior valor protéico; ovos frescos têm a casca porosa, fosca e afundam quando colocados em uma vasilha com água;
• fique atento ao prazo de validade;
• lave os ovos que, por ventura estiverem sujos, em água corrente, antes de guardá-los na geladeira;


8. Alimentos Congelados

A agitação da vida moderna e a falta de tempo, associadas ao aumento do número de mulheres que trabalham fora são alguns dos fatores responsáveis pelas mudanças nos hábitos alimentares e pela maior procura por alimentos congelados. No entanto, estes alimentos necessitam de certos cuidados que devem ser observados já na hora de sua compra:

• observe se o produto está armazenado adequadamente e se a temperatura do congelador confere com o grau de resfriamento a que o alimento deve estar submetido. Lembre-se de que a temperatura de armazenamento, bem como a data de validade, devem estar escritas na embalagem;
• observe se no interior do balcão existe uma nuvem de frio, o que é sinal de temperatura certa de conservação;
• não compre produtos amolecidos ou com aspecto duvidoso. A presença de água no interior da embalagem ou de bolhas em produtos embalados a vácuo e de sangue, no caso das carnes, pode denunciar descongelamento;
• gelo na superfície das embalagens ou água na parte superior dos balcões evidencia irregularidades;
• observe se os produtos colocados nos balcões frigoríficos não estão ultrapassando o nível da altura das paredes desses aparelhos;
• procure manusear o mínimo possível os alimentos congelados, a fim de evitar alterações na qualidade do produto;
• procure deixar os produtos congelados para o final de suas compras;



O balcão de produtos refrigerados ou congelados também não devem apresentar poças de água, embalagens transpiradas ou com placas de gelo sobre a superfície, o que pode indicar temperatura inadequada, superlotação ou que as geladeiras foram desligadas durante a noite.

9. embalagens à vácuo

Não leve para casa produtos embalados à vácuo que apresentem bolhas de ar ou líquido.

10. grãos e vendas à granel


Alimentos como grãos (arroz, feijão, lentilha, etc), farinhas, biscoitos, macarrão, etc, apresentam como principal problema a contaminação por insetos, geralmente carunchos ou carcoma ( designação comum aos insetos perfuram cereais, feijão etc armazenado, reduzindo-os a pó. Nestes casos, o consumidor deve ter cuidado, se na hora da compra a embalagem do produto apresenta sinais de rompimento, como pequenos furos, indicações de presença de insetos, principalmente farelo ou grãos "grudados" como se estivessem úmidos.

O mesmo vale para produtos vendidos a granel. Verifique o peso, quantidade e aparência do alimento, recuse produtos mal acondicionados, verifique se há sujeiras, mofo e não compre o produto se houver suspeitas sobre sua qualidade.

11. Pães e bolos

Quanto aos pães e bolos o principal problema é a formação de bolor. Portanto, é importante ficar atento na hora da compra.

As embalagens metálicas não devem estar amassadas, enferrujadas ou estufadas.

As embalagens plásticas absorvem odores, logo, devem estar armazenadas e afastadas de produtos que exalem cheiro forte, como os de limpeza, higiene pessoal e bombas de gasolina.

12. Água Mineral

• não adquira a água cuja embalagem estiver localizada próxima a lugares aquecidos, ou exposta ao sol ou fonte luminosa, uma vez que o calor propicia o desenvolvimento de algas que provocam alterações na coloração do produto, tornando-o amarelado ou esverdeado, impróprio para o consumo;
• não compre a água que estiver perto de produtos de limpeza ou de outros que exalarem cheiro forte, pois a embalagem plástica absorve odores que podem contaminar a água;
• fique atento à presença de lacre e observe se o mesmo não está violado ou com rachaduras;
• observe se não há sujeira no interior da embalagem;
• fique atento à data de validade do produto;
• evite comprar água de ambulantes


13. CUIDADO COM AS PROMOÇÕES:

Na compra de alimentos em promoção certifique-se de que a embalagem está em condições adequadas e se o produto tem validade próxima ao vencimento. Muitas vezes, existem ofertas bastante vantajosas, pois estão muito próximo do vencimento, caso o consumidor opte por comprar é importante que adquira quantidade adequada ao seu consumo, não deixando-se levar pelo impulso de comprar em quantidade que não consumirá a tempo e levará a perda do dinheiro e da economia.


14. Alimentos industrializados

No caso de alimentos industrializados, obrigatoriamente, devem conter as seguintes informações, em português, no rótulo:
Data de validade, incluindo também prazos de validade para produtos que apresentem alteração de validade após aberto ou, por exemplo, validades diferentes se congelados ou mantidos na geladeira;
lote; composição; origem; quantidade; bem como outras informações necessárias a utilização do produto como suas características, qualidade, e outros dados necessários a sua utilização como instruções de preparo, forma de armazenamento, etc;
REITERANDO: alguns alimentos não são adequados para consumo por indivíduos portadores de algumas doenças, por isso, alguns alertas são obrigatórios.

15. alimentos importados

No caso de alimentos importados quem responde pelo produto é o importador. A rotulagem deve apresentar os dados de identificação do importador e estar em língua portuguesa.

O consumidor tem o direito de reclamar sempre que adquirir um produto impróprio para o consumo. São considerados impróprios para o consumo os produtos:
. cujos prazos de validade estejam vencidos;
. os deteriorados, estragados e que apresentem características (sabor, cheiro, aparência) diferentes do habitualmente esperado, como por exemplo produtos mofados, com embalagens estufada, etc;
. os que apresentem alguma contaminação física (inseto, parafuso, fios de tecido, cabelo) e presença de sujidade não identificada (pontos pretos que não são da composição do alimento);
. quantidade/peso diverso da indicada na embalagem.

O consumidor poderá solicitar, à sua escolha:
. a substituição do produto por outro da mesma espécie em perfeitas condições de uso;
. a restituição imediata da quantia paga, monetariamente atualizada, sem prejuízo de eventuais perdas e danos.
. a maior parte das industrias efetua a troca através de contato direto com o Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC). Sendo esta a pretensão, o ideal é contactar diretamente o fornecedor