Maria Rachel Coelho: Cidadania e justiça!

Artigos

EDUCAÇÃO NÃO DEVE SER OBRA DE MOVIMENTOS DE FICÇÃO
Maria Rachel Coelho - 17/11/2009

Ética. Essa palavra nos embala e motiva, mas vive sendo vilipendiada e usada de maneira fácil e descomprometida,às vezes, e não raramente, por aqueles que se dizem envolvidos e lutadores pela melhoria da educação brasileira.


Cansados de promessas e soslaios, fundamos o apartidário Movimento Educacionista do Brasil (MEB). Inspirados inicialmente pelo senador e professor Cristovam Buarque, e depois ao pesquisarmos diletantemente descobrimos que “educacionismo" é um termo que foi cunhado ainda no século XIX, para designar os adeptos da "transformação social" através da "educação", que substituiria a ação política. É uma das características do anarco-comunismo de Piotr Kropotkin (1842-1921).


No Brasil, o primeiro a falar de Educacionismo foi o filósofo e professor da Unicamp, Sílvio Gallo, em O Paradigma Anarquista em Educação e também em Educação Libertária. O termo Educacionismo também está relacionado ao escritor e político mexicano Justo Sierra (1848-1912), cujas idéias e iniciativas na vida educacional do seu país foram marcantes para a época. Fiel aos ideais liberais e positivistas, lutou por uma educação primária de caráter nacional, laica e gratuita; preocupou-se com a formação e valorização dos docentes; foi um dos principais criadores da Universidade Nacional Mexicana. Acreditava na educação como fator de crescimento econômico e de aperfeiçoamento da vida social.


Pois bem, em meio a essa batalha diária e voluntária, já que não ganhamos dinheiro com o MEB, nos deparamos com a informação de que alguns de nossos membros estão sendo colocados, sem eles mesmo saberem, como coordenadores de Núcleos do Movimento Educacionista do senador Cristovam. Traduzindo: publicaram nomes de membros nossos sem a devida autorização e sequer conhecimento deles. A artimanha feita de forma indevida e fictícia, não coloca nem o contato e email das pessoa... Causou espécie tal descoberta. Ou se faz política pela educação ou se faz educação pela política; Essa última opção nos parece ser a opção escolhida.


A prova dessa incorreção é física: foi publicada no jornal Educacionista 9 assim como também no site deles. Somos movimentos diferentes com causas e nomes parecidos mas não usamos nem coadunamos com tais estratagemas. Nossos membros estão chateados e decepcionados com tal conduta que macula eticamente os princípios de um Movimento que diz falar e defender Educação. Pergunto, afinal questionar não ofende: Que Educação é essa?


Um dos que tiveram seu nome usado, é o Henrique Sérgio, de João Pessoa (PB), externou ao movimento do Senador, por correio eletrônico, o descontamento com a infeliz descoberta.


Queremos crer que o senador Cristovam não tenha conhecimento desse ato de má fé. Queremos sempre crer no melhor da pessoas. Assim como também queremos crer que a correção será feita com o devido espaço do erro.


Quanto a nós, estamos trabalhando diuturnamente. Em relação a questão indígena, que é um de nossos objetivos previsto em nosso estatuto. Estou lutando para tentar impedir que o tradicional prédio do antigo MUSEU DO ÍNDIO, no Maracanã (RJ), patrimônio público tombado, não seja demolido e transformado em estacionamento. Vamos transformar o espaço no CENTRO CULTURAL DARCY RIBEIRO. Essa é uma de nossas missões.

Nosso vice-presidente, Professor Tomaz Passamani (PB) continua trabalhando na reforma da Escola Olivína olívia que esta semana teve o seu portão principal, histórico, restaurado.

Nosso Coordenador, Mário Lúcio Silva (AM), trabalha incessantemente em Manaus, O Programa de Educação Amazonas Cidadão – que inclui cursos profissionalizantes, cursos de alfabetização e reforço escolar para a EJA (Educação de Jovens e Adultos) que já está funcionando nas escolas da Zona Leste, atendendo aos bairros grande Vitória; Nova Vitória; Santa Inês; São José 2; São José 4; Jorge Teixeira;Tancredo Neves, Mutirão e Cidade de Deus.


Outro de nosso fundadores, Nei Bravo, em Salto (SP) batalhou e conseguiu aprovar uma Lei que determina que 8 de maio seja o Dia do Compromisso com a Criança, o Adolescente e a Educação. O texto da Lei cita o Movimento Educacionista do Brasil. Bravo trabalha com muito afinco no Plano Municipal de Educação, a ser discutido e aprovado pela Câmara de Vereadores de Salto ainda este ano, com o claro objetivo de implantar na cidade uma educação de qualidade igual para todos na Escola de Educação Estética – um modelo de ensino integral voltado à formação de cidadãos. Será um plano diretor que irá nortear a Educação da cidade pelos próximos 20 anos, independente da vontade política ou religiosa dos próximos prefeitos e secretários da Educação.


É isso! É assim que se faz um Movimento, com verdade e ações concretas. O resto é proselitismo político e partidário, consequentemente.