Maria Rachel Coelho: Cidadania e justiça!

Artigos

Consumo Sustentável XI: água
Maria Rachel Coelho - 13/07/2012

A água é um recurso natural essencial para a sobrevivência de todas as espécies que habitam o planeta e está cada vez mais escasso e ameaçado.

Os alimentos que ingerimos dependem diretamente da água para produção. Precisamos de água para tudo: para a higiene pessoal, para lavar roupas e utensílios, limpeza de nossas habitações, além disso, ela é fundamental na produção de energia elétrica, na limpeza das cidades, nas construções, nos incêndios, irrigação de jardins, etc.

As indústrias usam enormes quantidades de água, tanto na matéria-prima,quanto na remoção de impurezas, na geração de vapor e na refrigeração.

Dentre todas as nossas atividades, porém, é a agricultura aquela que mais consome água (cerca de 70% de toda a água consumida na Terra é utilizada pela irrigação).

A ameaça da falta de água, pode inviabilizar a nossa existência, pode parecer exagero, mas não é. Os efeitos na qualidade e na quantidade da água disponível, relacionados com o rápido crescimento da população mundial e com a concentração dessa população em megalópoles, já são evidentes em várias partes do mundo. Dados do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef ) e da Organização Mundial da Saúde (OMS) revelam que quase metade da população mundial (2,6 bilhões de pessoas) não conta com serviço de saneamento básico e que uma em cada seis pessoas (cerca de 1,1 bilhão de pessoas) ainda não possui sistema de abastecimento de água adequado. As projeções da Organização das Nações Unidas indicam que, se a tendência continuar, em 2050 mais de 45% da população mundial estará vivendo em países que não poderão garantir a cota diária mínima de 50 litros de água por pessoa. Com base nestes dados, em 2000, os 189 países membros da ONU assumiram como uma das metas de desenvolvimento do milênio reduzir à metade a quantidade de pessoas que não têm acesso à água potável e saneamento básico até 2015.

Mesmo países que dispõem de recursos hídricos abundantes, como o Brasil, não estão livres da ameaça de uma crise. A disponibilidade varia muito de uma região para outra. Além disso, nossas reservas de água potável estão diminuindo.

Entre as principais causas da diminuição da água potável estão o crescente aumento do consumo, o desperdício e a poluição das águas superficiais e subterrâneas por esgotos domésticos e resíduos tóxicos provenientes da indústria e da agricultura.

Portanto é importante e inadiável a conservação dos recursos hídricos do planeta e necessário garantir um consumo sustentável.

Com pequenas mudanças de hábitos, podemos contribuir para conservar nossas águas, aprendendo a controlar a poluição e a consumir sem desperdício.

O volume total de água na Terra não aumenta nem diminui, é sempre o mesmo. A água ocupa aproximadamente 70% da superfície do nosso planeta.
Mas 97,5% da água do planeta é salgada. Da parcela de água doce, 68,9% encontra-se nas geleiras, calotas polares ou em regiões montanhosas, 29,9% em águas subterrâneas, 0,9% compõe a umidade do solo e dos pântanos e apenas 0,3% constitui a porção superficial de água doce presente em rios e lagos.

A água doce não está distribuída uniformemente pelo globo. Sua distribuição depende essencialmente dos ecossistemas que compõem o território de cada país. Segundo o Programa Hidrológico Internacional da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), na América do Sul encontra-se 26% do total de água doce disponível no planeta e apenas 6% da população mundial, enquanto o continente asiático possui 36% do total de água e abriga 60% da população mundial.

Atualmente, mais de 6 bilhões de pessoas em todo o mundo utilizam cerca de 54% da água doce disponível em rios, lagos e aqüíferos. (Fonte: Unesco)

O consumo diário de água é varia muito, além da disponibilidade do local, o consumo médio de água está muito relacionado com o nível de desenvolvimento do país e com o nível de renda das pessoas. Um ser humano precisa de, pelo menos, 40 litros de água por dia para beber, tomar banho, escovar os dentes, lavar as mãos, cozinhar etc.

Dados da ONU, porém, apontam que um europeu, que tem em seu território 8% da água doce no mundo, consome em média 150 litros de água por dia. Já um indiano, consome 25 litros por dia.

Segundo estimativas da Unesco, se continuarmos com o ritmo atual de crescimento demográfico e não estabelecermos um consumo sustentável da água, em 2025 o consumo humano pode chegar a 90%, restando apenas 10% para os outros seres vivos do planeta.

No Brasil, com suas dimensões continentais, os contrastes são imensos e relacionados não só ao clima, vegetação original e topografia, mas também à distribuição da população e ao desenvolvimento econômico e social, entre outros fatores.

O Brasil é, até, um país privilegiado quanto ao volume de recursos hídricos, pois abriga 13,7% da água doce do mundo. No entanto, a disponibilidade desses recursos não é uniforme. Mais de 73 % da água doce disponível no país encontra-se na bacia Amazônica, que é habitada por menos de 5% da população. Apenas 27 % dos recursos hídricos brasileiros estão disponíveis para as demais regiões, onde residem 95% da população do país. Não só a disponibilidade de água não é uniforme, mas a oferta de água tratada reflete os contrastes no desenvolvimento dos Estados Brasileiros. Enquanto na região Sudeste 87,5% dos domicílios são atendidos por rede de distribuição de água, no Nordeste a porcentagem é de apenas 58,7%.

O Brasil registra também elevado desperdício: de 20% a 60% da água tratada para consumo se perde na distribuição, dependendo das condições de conservação das redes de abastecimento. Além dessas perdas de água no caminho entre as estações de tratamento e o consumidor, o desperdício também é grande nas nossas residências.

E o que pode ser feito para a reduzir o desperdício e para controlar a poluição da água?

Para reduzir o desperdício de água:

• na produção agrícola e industrial, a partir do controle dos volumes de água utilizados nos processos industriais, introduzindo técnicas de reuso de água e uso de equipamentos e métodos de irrigação poupadores de água;
• reduzir o consumo doméstico de água a partir da incorporação do conceito de consumo sustentável de água no nosso dia-a dia. Para isso, é necessário que cada um de nós promova mudanças de hábitos, envolvendo, por exemplo, o tempo necessário para tomar banho, o costume de escovar os dentes com a torneira aberta, o uso de mangueira para lavar calçadas e carros etc..
• reduzir o desperdício de água tratada nos sistemas de abastecimento de água, recuperando os sistemas antigos e introduzindo medidas de manejo que tornem os sistemas mais eficientes;

Para reduzir a poluição decorrente das atividades agrícolas:

• reduzindo a utilização de agrotóxicos e fertilizantes na agricultura;
• implantando medidas de controle de erosão de solos e de redução dos processos de assoreamento de corpos de água, tanto em nível urbano como rural.

Para reduzir a poluição das águas:

• deve haver um apoio à iniciativas que implantem sistemas de tratamento de esgotos, como forma de reduzir a contaminação da água;
• todos nós, como cidadãos devemos exigir do município o tratamento adequado dos resíduos, com instalação de sistemas de coleta seletiva e reciclagem de resíduos sólidos; aterros sanitários, estações de recebimento de produtos tóxicos agrícolas e domiciliares, tais como restos de tinta, solventes, petróleo, embalagem de agrotóxicos, entre outros;
• finalmente, a sociedade como um todo (consumidores, imprensa, órgãos públicos) organizados podem pressionar as empresas para que produzam detergentes, produtos de limpeza, embalagens etc. que causem menores impactos ambientais.